Um até logo para enfrentar novos desafios
Escrevo a coluna de hoje com um sentimento diferente. Desde 2003, quando o Selito aceitou abrir espaço para dois jovens estudantes do Colégio Espírito Santo, habituei-me a escrever regularmente aos jornais da minha cidade, imprimindo opiniões, apresentando argumentos, tecendo comentários. Sobre os mais diversificados assuntos, mas com predominância para a política, o futebol e a cultura. Nesse tempo todo, amadureci, pois passei da adolescência, do ensino médio, para a vida adulta, para o ensino superior, para o mundo cheio de compromissos, de desafios e responsabilidades de toda ordem. Naquele longínquo 2003, estava acompanhado de meu amigo e hoje advogado André Dressler, na coluna Estamos de Olho. Passei pelo Jornal Yucumã, assinei coluna no jornal Regional, por poucas semanas no Atos e Fatos e, finalmente, em 2009, juntamente com meu pai, nos desafiamos a criar e reeditar o Jornal Observador, de tanta tradição em tempos passados. Através da coluna Argumentos, pude demonstrar um pouco de minhas impressões, minhas revoltas, minhas afinidades, minhas posições. Ganhei leitores. Poucos, é verdade, mas fiéis, que me acompanharam com críticas, sugestões e com apoio. Mas é um espaço que, apesar de semanal, sempre foi encarado com muita responsabilidade, pois está na página 3, uma das mais nobres de qualquer jornal, quase um cartão de visitas. Isso aumentou sua importância. Escrever não é uma tarefa das mais fáceis. Como escolher entre tantos assuntos que hoje nos são jogados diariamente? Como explicitar nossos argumentos sem ferir ou machucar alguém que está lendo, mas também não ser tão condescendente e ficar apenas em cima do muro? São perguntas que todo e qualquer escritor opinativo se faz na hora em que redige suas palavras. Em cidades pequenas como as nossas, é ainda mais difícil. Todos nos conhecemos, todos de uma forma ou outra temos ligação, e a independência nem sempre consegue ser aquela ideal. Tenho me cobrado bastante nos últimos meses, pois não estou satisfeito com meus artigos ultimamente. Acho que poderia ter construído coisa melhor. Porém, também sei que o tempo anda curto demais, as atribuições cada vez maiores e, nem sempre, conseguirmos ter o tempo e o silêncio necessários para construir bons textos. A inspiração nem sempre vem da forma como sonhamos e acabamos escrevendo o que nos vem à cabeça de última hora, o que, nem sempre é o ideal.
Bueno, mas não pensem que esse é um texto de despedida definitiva. Muito pelo contrário. É apenas um até logo. A partir do próximo mês estarei encarando um de meus maiores desafios de vida. Estarei participando do pleito municipal e, dessa forma, me sentirei mais confortável sem este espaço nobre, pois ficarei realmente nas mesmas condições de outros postulantes ao mesmo cargo.
É uma tarefa que irei cumprir com grande satisfação. Apenas escrever e criticar é muito fácil e cômodo. Colocar a cara a tapa e ir para a rua, propor novas ideias e novas maneiras de se fazer a boa política, é bem diferente e mais complexo. Mas sinto que tenho condições de contribuir muito com esse processo, sem agredir e sem desmerecer quem quer que seja, mas deixando claro minhas posições e minhas lutas, buscando através do argumento, o convencimento necessário.
Três Passos terá bons candidatos. A comunidade estará servida de bons nomes em todas as esferas. Pessoas novas, estreantes, mescladas com outras mais experientes e já conhecedoras de cargos públicos. A democracia é o espaço adequado para esse embate. Que tenhamos, todos, a consciência e a responsabilidade necessárias para bem conduzir esse período. E que a responsabilidade seja compartilhada por todos, pois voto é coisa séria. Muitos lutaram para que tivéssemos a chance de votar e ser votados por todo o conjunto da sociedade. E cabe a nós todos honrarmos essa brava luta.
Estreias no Observador – Mas não pensem que o Jornal Observador estará mal servido nesses próximos três meses. O amigo Willian Heineck, grande Tocha, estará estreando nessas páginas, com seus textos sempre bem construídos. E não será um mero interino. O Tocha inicia seu espaço e continua até o momento em que achar que deve permanecer. E que isso dure bastante, pois o Tocha tem muito a contribuir.

Aquele abraço! – E encerro esta coluna de hoje agradecendo, do fundo do coração, a cada amigo e a cada amiga que me honraram com um abraço ou um parabéns virtual na última semana. A passagem do aniversário sempre é muito mais valiosa quando podemos celebrar com aqueles que tanto gostamos. Aos amigos do dia-a-dia, aos amigos costeiros, aos amigos familiares e colegas, o meu agradecimento. E aos meus sempre queridos leitores, fica aqui o abraço e o pedido para que continuem acompanhando esse semanário, que muitas surpresas ainda trará até o início de 2013.

0 comentários | Escrever comentário