“Não me parece que estejam fazendo justiça ao João Vaccari. Não entro no mérito da acusação e do acórdão, pois não os conheço. Entretanto, 24 anos de reclusão equivale a 4 homicídios simples ou dois homicídios qualificados. Por outro lado, os que receberam a suposta propina, no estrangeiro, estão em prisão domiciliar em Salvador, confortavelmente em sua mansão, apesar de condenados a penas que não permitem a prisão em regime aberto", diz o professor Afrânio de Silva Jardim

 

8 DE NOVEMBRO DE 2017 ÀS 08:47 //

 

Do DCM – De Afrânio Silva Jardim, professor associado de Direito Processual Penal da UERJ, sobre a condenação do ex-tesoureiro do PT João Vaccari no Tribunal Regional Federal da 4a. Região:

“Não me parece que estejam fazendo justiça ao João Vaccari. Não entro no mérito da acusação e do acórdão, pois não os conheço. Entretanto, 24 anos de reclusão equivale a 4 homicídios simples ou dois homicídios qualificados. Por outro lado, os que receberam a suposta propina, no estrangeiro, estão em prisão domiciliar em Salvador, confortavelmente em sua mansão, apesar de condenados a penas que não permitem a prisão em regime aberto.”

0 comentários | Escrever comentário