O jornalista Reinaldo Azevedo afirma que a democracia brasileira está sendo cercada por personagens das forças armadas e do poder judiciário; ele diz: "tanques e togas tentam cercar a democracia brasileira. Há um esforço deliberado para tratar o eleitor como um débil mental. Generais, juízes e procuradores se arvoram em consciência crítica da brasileirada incapaz" e acrescenta: "nas democracias, chefes militares não fazem considerações sobre política e o processo eleitoral. Também não dizem quem pode e quem não pode ser eleito"

 

14 DE SETEMBRO DE 2018 ÀS 04:36 //

 

247 - O jornalista Reinaldo Azevedo afirma que a democracia brasileira está sendo cercada por personagens das forças armadas e do poder judiciário. Ele diz: "tanques e togas tentam cercar a democracia brasileira. Há um esforço deliberado para tratar o eleitor como um débil mental. Generais, juízes e procuradores se arvoram em consciência crítica da brasileirada incapaz" e acrescenta: "nas democracias, chefes militares não fazem considerações sobre política e o processo eleitoral. Também não dizem quem pode e quem não pode ser eleito".

Em sua coluna no jornal Folha de S. Paulo, o jornalista faz um relato pessoal para situar sua compreensão de democracia: "aos 57 anos, incomoda-me o assédio que ofendia meu senso de autonomia adolescente. Desculpem-me por um tantinho de memória privada a unir setembros. Como naquele filme, sei que a história de uma pessoa “vale menos do que um punhado de feijão neste mundo louco”, mas é a minha história — ou a infância afetiva de um liberal. Entre togas e tanques."

E perpassa sua adolescência e a memória de um país sob regime militar: "eu tinha 15 anos quando o DOPS (Departamento da Ordem Política e Social) encostou as mãos sujas em mim. Passei por um interrogatório informal na escola. A denúncia partira de um professor infiltrado. Eu havia vencido um concurso estadual de redação cujo tema era “O Dia da Árvore”. Associei a agressão à natureza à incúria do governo, ao egoísmo humano e ao lucro irresponsável. E o fiz com a ambição condoreira que têm os candidatos a mau poeta na periferia do mundo..."

Azevedo chama a atenção para o momento dramático de um recrudescimento do arbítrio, tanto no mundo das togas quanto no mundo dos tanques: 'ações de improbidade, prisões temporárias e preventivas e vazamentos de inquéritos e de delações passaram a ser empregados com o nítido propósito de mudar o resultado das urnas. A corregedoria do Conselho Nacional do Ministério Público vai apurar a conduta de alguns de seus membros, que resolveram confundir boca de urna com combate à corrupção. No TSE, Roberto Barroso inventou o 'trânsito em julgado' do que ainda está 'sub judice'. Um espanto. A exemplo do general, todos querem proteger o povo brasileiro. O diabo é que se colocam no papel de quem pode até rasgar a lei para poupá-lo de sua própria vontade".

 

José Reinaldo Azevedo e Silva é um jornalista político brasileiro, de orientação política liberal ou, segundo ele próprio declara, inserido no campo da direita liberal e democrática. Atualmente, Reinaldo é colunista no jornal Folha de S.Paulo e atua como comentarista do telejornal RedeTV! Wikipédia

0 comentários | Escrever comentário