Filosofia de bolicho   -

   (Gilberto R da Silva – advogado)

   lawmantp@hotmail.com

 

 

Seguindo na linha da última semana peço aos amigos leitores um pouco de paciência com esse meu momento “filósofo de bolicho”. Lá vai.

 

Quando alguém pergunta se você costuma ver "o copo meio cheio ou meio vazio", pode estar querendo saber se você nota as coisas que dão errado com mais freqüência que as que dão certo. Mas na verdade isso é uma questão de perspectiva. A perspectiva é necessária na nossa visão de mundo, caso contrário veríamos tudo do mesmo jeito sempre.

 

Não lembro onde li e nem o autor, mas achei muito inteligente a conclusão: "duas pessoas nunca lêem o mesmo livro". Ou seja, minha percepção do que li nunca será idêntica a sua, por causa das minhas experiências de vida, crenças, valores, personalidade e do ângulo pelo qual enxergo as situações com as quais me deparo.

 

Porém, se por um lado existe a concepção dos "pontos de vista distintos", por outro lado existe sempre a possibilidade de enxergar além do que todo mundo já enxerga.

 

O que vemos em nossas vidas tem muito a ver com “como” vemos isso. Nossa percepção do mundo está atrelada às nossas visões pessimistas e otimistas, a uma personalidade extrovertida ou introvertida. Quando estou triste ou abatido, por exemplo, parece que toda a vida fica mais nebulosa, já quando estou ansioso parece que tudo ao redor fica acelerado. As coisas mudam e o copo que antes estava meio cheio passa a parecer meio vazio. E vice e versa. Isso acontece de uma hora para a outra, sem que eu entenda o porquê.

 

É uma “peleia” daquelas bem feias, mas estou sempre buscando ser mais pró-ativo. Tenho em mente que há espaço para que as coisas ao meu redor ganhem uma tonalidade mais bonita. Tento ver mais as oportunidades, mas sem deixar de enxergar os riscos. As pessoas com boa energia deixam isso transbordar e “contaminam” quem está ao seu lado. Em algum momento tudo acabará dando mais certo mesmo. Se posso optar entre ser otimista ou pessimista minha escolha é fácil: otimista “por demás”, como diria o gaudério.

 

Não estou sugerindo que a gente ignore a realidade dos fatos, nem que deixe de enxergar o lado feio e negativo. Mas estou, sim, lembrando que mesmo diante de situações desastrosas ou negativas há sementes que apontam para o bem. As coisas boas e positivas estão contidas nas negativas e o contrário também é verdadeiro. São detalhes que nós podemos ajustar. Não é uma mudança tão radical. É uma maneira um pouco diferente de perceber as coisas. E no final isso faz uma grande diferença e ajuda você a se tornar uma versão melhorada de si mesmo. Quanto mais positiva e otimista for a sua visão sobre "aquele copo", mais completa será sua atitude diante da vida.

0 comentários | Escrever comentário