Logo após encerrar sua fala, o presidente foi surpreendido por vaias do público, e reagiu com um leve sorriso.

Manifestante levanta cartaz pedindo eleições gerais durante discurso do presidente da República, Michel Temer (PMDB), na abertura do Encontro Nacional de Comércio Exterior 2017 (Enaex). (Fábio Motta/ Estadão Conteúdo)

Atualizada às 13h22

O presidente da República, Michel Temer, enfatizou nesta quarta-feira que não haverá aumento na alíquota do Imposto de Renda sobre Pessoa Física. O presidente participou da abertura do Encontro Nacional de Comércio Exterior (Enaex), no Rio de Janeiro, e reforçou a nota divulgada ontem pelo governo de que essa proposta não seria encaminhada ao Congresso.

"Não é verdade, não haverá aumento. Absolutamente, não haverá", disse o presidente.

Temer destacou ações do governo no incremento do comércio exterior e afirmou que o Brasil, na presidência do Mercosul, trabalha para concretizar o acordo bilateral com a União Europeia.

O presidente destacou as reformas em discussão no Congresso Nacional e disse que traçou uma agenda com líderes partidários para concluir as reformas política, da Previdência e tributária até o fim deste ano.

"Ajustamos essa pauta para esse semestre. Se chegarmos ao final deste ano e tivermos completado o ciclo das reformas com essas três que apontei, teremos um 2018 mais próspero e mais desenvolvido no nosso país", disse o presidente que, além de aplausos, também recebeu vaias de parte da plateia, ao final de seu discurso.

Alvo de vaias e protestos

Temer deixou o auditório no qual se realizava a cerimônia do Enaex sem alterar seu semblante em meio a protestos por parte da plateia. O peemedebista saiu sem dar entrevista a jornalistas - o que havia sido cogitado por assessores.
Pelo menos seis pessoas presentes na cerimônia de abertura levantaram cartazes em protesto contra Temer. Diante de empresários, autoridades e público credenciado, ele fez seu discurso e ignorou os protestos.

A manifestação começou com dois cartazes, levantados por duas mulheres. Um deles pedia eleições gerais; outro dizia "Fora Temer". Com 15 minutos de discurso, o número de pessoas da plateia com cartazes levantados chegava a seis. Em parte, eram estudantes universitários, que vieram à Enaex para assistir palestras sobre comércio exterior. Temer foi vaiado ao concluir o discurso, e ouviu gritos de "Fora Temer" e "golpista".

A estudante Carolina Figueiredo Thomaz, de 18 anos, foi uma das pessoas que produziu os cartazes. Ao chegar, ela não sabia que Temer estaria na Enaex. Quando o viu, decidiu se manifestar. Carolina é estudante de Relações Internacionais da Universidade do Estado do Rio (Uerj), que sofre com a penúria do governo do Estado. Sem salários, professores e funcionários estão em greve.

"É um absurdo terem arquivado as denúncias contra ele. Contra a Dilma não tinha tantas e a tiraram. Temer não foi eleito, só 5% da população o apoia, e ele não sai. Ele não representa o povo brasileiro", disse Carolina. Os protestos foram rápidos e não chegaram a ser coibidos pelos seguranças.


Agências Brasil e Estado///

0 comentários | Escrever comentário