Jovem de 21 anos em foto publicada na sua rede social com o carro usado por ele no momento do acidente Foto: Reprodução(Pragmatismo Político)

Suspeito de estar conduzindo o Audi A3 que atropelou três pessoas na saída de uma festa em Jurerê, Florianópolis (SC), na madrugada do último domingo, um dos herdeiros do Grupo RBS não se apresentou à polícia nesta terça-feira (8) para prestar depoimento. O delegado Otávio Cesar Lima, responsável pela investigação, esperava Sérgio Orlandini Sirotsky, 21 anos, mas ele não compareceu. O suspeito é filho de Sérgio Sirotsky e neto de Jayme Sirotsky, presidente emérito do Grupo RBS.

De acordo com a polícia catarinense, o condutor do Audi atropelou três homens e abandonou o veículo na SC-401, perto de um motel. Uma das vítimas segue internada em estado grave. As informações foram publicadas pelo Diário Catarinense.

O caso ganhou grande repercussão em Santa Catarina porque não é a primeira vez que Sérgio Orlandini Sirotsky é investigado pela polícia. Em 2010, ele foi acusado de estuprar, junto com outro adolescente, uma menina de 13 anos. Na época, a juíza Maria de Lourdes Simas Porto Vieira, da Vara da Infância e da Juventude, decidiu aplicar uma pena alternativa de trabalhos comunitários aos dois adolescentes.

 

0 comentários | Escrever comentário