Em sua coluna nesta quinta, o escritor Luis Fernando Verissimo destaca a corrupção presente na ditadura militar do Brasil: "Havia corrupção como agora, com um coronel à frente de cada estatal, mas não era permitido investigá-la", escreve;  "A verdadeira história da ditadura ocorria nos porões em que presos políticos eram torturados e assassinados e nos jornais censurados para que nada disso fosse revelado. E tem gente com saudade desse tempo", completa

 

7 DE DEZEMBRO DE 2017 ÀS 06:26 //

247 - O colunista Luis Fernando Verissimo dedica seu texto desta quinta à questão da corrupção durante a ditadura militar no Brasil.

Confira abaixo alguns trechos do texto:

"Aumenta o número de nostálgicos pelos velhos tempos, como prova o numero de pessoas que votariam no Bolsonaro nas próximas eleições presidenciais. Hoje, temos mais a temer da nostalgia do que de manifestos militares. Da nostalgia ou da ignorância.

A nostalgia é por um tempo de ordem e probidade que nunca existiu. Havia corrupção como agora, com um coronel à frente de cada estatal, com a diferença que não era permitido investigá-la. A verdadeira história da ditadura ocorria nos porões em que presos políticos eram torturados e assassinados e nos jornais censurados para que nada disso fosse revelado. E tem gente com saudade desse tempo.

O Ministério da Defesa, uma herança bem intencionada do governo Fernando Henrique, tem sido, até agora, uma ficção. A sua missão histórica, diante da possibilidade de se multiplicarem as manifestações pela volta aos velhos tempos como a do general, é de prevenir o saudosismo nos quartéis."

0 comentários | Escrever comentário