Colunista Bernardo Mello Franco criticou o pedido do prefeito de Porto Alegre, Nelson Marchezan Jr (PSDB), de apoio do Exército contra para reprimir manifestações de apoio ao ex-presidente Lua no próximo dia 24; "Pupilo do MBL, ele aposta no discurso agressivo para cativar a clientela. É seu direito, mas apelar ao Exército só serve para semear a violência", diz o jornalista; ele lembra que a Constituição assegura o direito à manifestação pacífica em locais públicos; "Dentro desse limite, quem torce contra ou a favor de Lula é livre para expressar sua opinião. Filho de um político ligado à ditadura, o tucano deveria buscar formas mais democráticas de se promover", criticou

 

5 DE JANEIRO DE 2018 ÀS 07:29 //

 

247 - O colunista Bernardo Mello Franco criticou o pedido do prefeito de Porto Alegre, Nelson Marchezan Jr (PSDB), de apoio do Exército contra para reprimir manifestações de apoio ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no próximo dia 24 na capital gaúcha. 

Mello Franco lembrou que o prefeito tucano alegou a "ameaça de ocupação de espaços públicos municipais" e o risco de "desobediência civil e luta". "O exagero incomodou até o governo Temer, insuspeito de simpatizar com o petismo. O ministro da Defesa precisou esclarecer que o pedido é 'impossível' e 'ilegal'. Marchezan Júnior já sabia disso, mas fabricou a notícia para marcar pontos com o eleitorado conservador. Pupilo do MBL, ele aposta no discurso agressivo para cativar a clientela. É seu direito, mas apelar ao Exército só serve para semear a violência", diz o jornalista.

Ele lembra que a Constituição assegura o direito à manifestação pacífica em locais públicos. "Dentro desse limite, quem torce contra ou a favor de Lula é livre para expressar sua opinião. Filho de um político ligado à ditadura, o tucano deveria buscar formas mais democráticas de se promover", criticou. 

Leia a coluna na íntegra.

0 comentários | Escrever comentário