Candidato foi quarto colocado no pleito neste domingo

 

 

 

correio do povo///

Quarto colocado na disputa ao governo do Rio Grande do Sul com 11,28% dos votos, Jairo Jorge (PDT) afirmou que seu partido deve declarar apoio a um dos candidatos que passaram ao segundo turno das eleições. Após o resultado da noite desta domingo, o candidato, no entanto, não informou se o posicionamento será favorável a Eduardo Leite (PSDB) ou José Ivo Sartori (MDB), já que o PDT deve decidir isso ao longo dessa semana junto a seus aliados. “Acho que esse momento do Rio Grande exige posição, exige definição e vamos buscar”, declarou.

 

Durante a tarde, o cenário era pouco animado no comitê do candidato, localizado no bairro Menino Deus. Poucas pessoas ligadas à campanha circulavam pelo local até a chegada de Jairo Jorge, pouco antes das 18h. O quarto colocado na corrida ao Piratini chegou acompanhado da esposa, Thais Pena, e ficou recluso até a apuração dos votos terminar e definir o segundo turno entre Leite e Sartori. O silêncio e a calmaria só se quebraram por volta das 19h30min, quando, aplaudido, o representante do PDT apareceu para se pronunciar e conceder entrevista coletiva à imprensa ao lado de Anderson Dornelles, João Luiz Vargas, José Scorsatto e Dario Silveira. O candidato a vice-governador, Claudio Bier (PV), não estava presente.

 

Quando iniciou sua fala, imperou o clima de serenidade. O candidato se disse satisfeito com a campanha e que entende ter saído fortalecido da disputa. Citou, por exemplo, que, com 656.350 votos, mais do que dobrou os 263.062 feitos pelo PDT na campanha de 2014. De acordo com Jorge, seus discursos foram sempre propositivos, com críticas administrativas e políticas, mas sem atacar ou desrespeitar nenhum outro candidato. “Tenho consciência que nossa candidatura trouxe propostas inovadoras para o Rio Grande em todas as áreas e acredito que é isso que pode tirar o Rio Grande do Sul dessa crise”, avaliou.

 

Para Jairo Jorge, um dos principais motivos que levaram a esse resultado foi o momento de polarização pelo qual passa o país como um todo. Apesar disso, o candidato, que se define como centro-esquerda, saudou Leite e Sartori e disse que espera que os vencedores das disputas ao governo do Estado e da Presidência da República, independente do resultado, sejam respeitados. “Temos que ter união, temos que ter capacidade de convergência. O que não podemos é continuar com o que aconteceu em 2014, essa guerra santa que levou a essa divisão”, disse ele, que considera a tolerância a grande mensagem deixada por sua campanha.

 

 

 

 

Jairo Jorge fala sobre características de sua campanha e sobre a polarização política @correio_dopovo

0 comentários | Escrever comentário