AO VIVO - Clique aqui para tocar a Rádio Tertúlia Web

Preço do dólar, do barril de petróleo e a política de preço da Petrobras podem ajudar a explicar os aumentos sucessivos

 

| Foto: Governo do Mato Grosso do Sul.

 

Lucila Bezerra Do Brasil de Fato

 

Esta semana a Petrobras anunciou um novo reajuste no preço dos combustíveis. Foi o quarto do ano para a gasolina, que acumula alta de 34,7%, e o terceiro aumento para o diesel, que já ficou 27,7% mais caro em 2021. Quem paga é o consumidor: no caso da gasolina, o litro foi a R$ 2,48, um acréscimo de 23 centavos, a partir desta sexta-feira (19). Para o presidente do Sindicato dos Trabalhadores na Indústria do Petróleo de Pernambuco e Paraíba (Sindipetro-PE/PB), Rogério Almeida, o governo tem responsabilidade direta nisso, ao manter a política que atrela os preços nacionais às oscilações do mercado internacional, mesmo sendo o Brasil um dos maiores produtores de petróleo do mundo.

Em entrevista ao Brasil de Fato Pernambuco, Almeida alertou que esta situação poderá se agravar, caso o Governo Federal prossiga com sua política de privatizações. São oito refinarias da Petrobras que poderão ser vendidas em todo o Brasil, que juntas correspondem a 50% de todo o refino do país. “A sociedade tem que lutar, não podemos entregar nossas refinarias porque senão vamos ter que pagar cada vez mais caro por esses combustíveis”, diz o dirigente sindical.

Confira:

-Brasil de Fato: Há algum tempo vemos a ameaça da privatização da Petrobras e da venda das refinarias. Como anda essa questão no momento com a privatização da Refinaria Landulpho Alves-Mataripe na Bahia?

 

-Rogério Almeida: Para falar das refinarias no nosso país é preciso entender o que está acontecendo agora. O governo está ameaçando vender oito refinarias em todo o Brasil, que juntas correspondem a 50% de todo o refino do país. Hoje a produção de petróleo no Brasil é de 2,6 milhões de barris por dia; nossas refinarias operando em 100% conseguem refinar 2,4 milhões para abastecer um mercado que é gigantesco no nosso país, de 2,2 milhões de barris por dia. Nós temos petróleo e temos refinaria para atender o nosso mercado. Precisa importar um ou outro produto para complementar algumas regiões, mas o governo está indo na direção contrária.

Está vendendo as refinarias, inclusive a da Bahia, que está sendo fechado negócio com a Mubadala, que é um fundo soberano dos Emirados Árabes. Vejam, um fundo soberano está vindo comprar a soberania do Brasil. Temos que lutar para não entregar nossas riquezas, porque quem vai pagar o preço é a sociedade. O gás de cozinha está batendo os 100 reais, tem postos vendendo gasolina a R$5,20 e vai ter mais aumento, porque foi anunciado há alguns dias o aumento no diesel, gasolina e gás de cozinha. A sociedade tem que lutar, não podemos entregar nossas refinarias porque senão vamos ter que pagar cada vez mais caro por esses combustíveis.

-Rogério Almeida: O Brasil como um país soberano na questão do petróleo não precisa acompanhar o mercado internacional como vem sendo hoje, porque se aumenta o petróleo lá fora, aumenta o combustível aqui no mesmo dia. Isso é incoerente. Agora no hemisfério norte o inverno e as nevascas dificultam a extração em algumas regiões e isso afeta a gente, os conflitos no Oriente Médio nos afetam aqui. Não é justo que a dona de casa pague em dólar pelo gás de cozinha, que poderia estar sendo vendido hoje a R$40 e está sendo vendido a quase R$100.

Por quê?

Existem três fatores que influenciam nessa alta de toda a cadeia do petróleo. Um é o dólar. Quanto mais o dólar sobe, mais cara fica a gasolina nessa política de preço que está sendo usada hoje. O segundo é o valor do barril de petróleo, quando o preço do barril sobe. Estava em torno de 25 dólares e agora está batendo os 70 dólares. Se sobe o valor do barril, sobe o dos combustíveis. O terceiro item é o mais escandaloso, que é a taxa portuária e de importação, que a Petrobras é obrigada a colocar no seu preço. Por exemplo: se uma importadora vem aqui no país, e traz seus combustíveis dos EUA, ela paga uma taxa portuária e de importação para transportar esse combustível até aqui. Esse valor é por litro, que seja, por exemplo, 20 centavos por litro.

Hoje, a Petrobras com essa política de preço precisa pagar esses 20 centavos mesmo não tendo trazido o combustível. É mais um calo no bolso do consumidor, que não tem nada a ver. A gasolina que está sendo vendida em R$ 5,10 poderia estar sendo vendida a R$ 3,50. Hoje a Petrobras é uma empresa pública, do povo, quem manda na Petrobras é o Governo Federal. A gente tem escutado que o presidente não tem controle da Petrobras mas ele tem, porque quem nomeia o presidente da Petrobras é o Presidente da República. O presidente pode sim parar com essa política de preço de paridade internacional, que é o PPI.

-Brasil de Fato: Durante a pandemia, o sindicato observando esses aumentos, têm feito ações de solidariedade, como a venda a preço popular de botijões. Qual a importância dessas ações durante esse período em que a população enfrenta uma crise econômica e sanitária?

 

-Rogério Almeida: Desde a nossa última greve, que tinha na pauta a diminuição do preço dos combustíveis em fevereiro de 2020, nós já vínhamos com essa pauta porque a gente que está dentro da Petrobras sabe que o combustível poderia ter um preço mais baixo e ser vendido a preço justo. A Petrobras lucra muito? lucra. Mas, em contrapartida, a população está sofrendo e com a chegada da pandemia mais ainda, porque as pessoas estavam mais em casa consumindo mais gás de cozinha, os caminhoneiros rodando para abastecer o país com o diesel aumentando. Isso é incoerente. Ali o governo já deveria ter segurado ou até baixado o preço dos combustíveis. Aqui eu tenho que abrir um parênteses para explicar porque a gente pauta a Petrobras como empresa pública e não ser privatizada. Para baixar o preço dos combustíveis basta o governo atuar e dizer à Petrobras para baixar por um preço que dê lucro e abasteça o mercado nacional. Isso pode ser feito hoje porque a Petrobras é uma empresa pública, se ela passa a ser privada, como a da Bahia, acabou.

O pessoal lá da região vai ter que obrigatoriamente pagar pelo preço internacional. A gente começou a fazer essas ações com gás de cozinha, doando ou vendendo a preço de custo e dessa vez com o anúncio da greve dos caminhoneiros, nós fomos até eles, servimos um café da manhã junto com a Campanha Mãos Solidárias e conversamos e explicamos como é composto o preço para que todos entendam como funciona a política de preço.

Em seguida fomos até uma comunidade no centro do Recife e fizemos uma doação de 50 botijões de gás e conversamos com a sociedade para explicar a doação, porque somos contra os aumentos e isso foi feito em todo o país pela Federação Única dos Petroleiros (FUP), que também distribuiu voucher para a compra de gasolina, distribuiu combustível para motoristas de aplicativos… tudo para ajudar uma parte da população e mostrar que é possível baixar o preço dos combustíveis, mas falta apenas a vontade do Governo Federal.

 

 

Sul21///

0 comentários | Escrever comentário