Cotação do dia

USD/BRL
EUR/USD
USD/JPY
GBP/USD
GBP/BRL
Trigo
R$ 115,00
Soja
R$ 180,00
Milho
R$ 82,00

Tempo

Dilma recebe do PSB nomes de Integração e Turismo

O governador pernambucano Eduardo Campos, presidente do PSB federal, repassou a Dilma Rousseff os nomes de sua legenda para o novo ministério.

 

Para a pasta da Integração Nacional, o partido indicou Fernando Bezerra Coelho, atual secretário de Desenvolvimento Econômico de Pernambuco.

 

Para o Ministério do Turismo, foi indicado o deputado federal Márcio França, presidente do PSB-SP.

 

As duas pastas foram asseguradas ao PSB pela própria Dilma. A Integração deixa os domínios do PMDB e retorna ao controle do PSB, que já ocupara a caderia sob Lula.

 

O Turismo foi à cota do PSB como "compensação" pela perda da pasta da Ciência e Tecnologia, que Dilma decidiu confiar a Aloizio Mercadante (PT-SP).

 

Há, porém, uma pendência nas negociações de Campos com Dilma. O PSB reivindica a manutenção de Pedro Brito na Secretaria Nacional de Portos.

 

A secretaria tem status de ministério. Foi criada por Lula em maio de 2007, especialmente para atender a uma demanda do PSB.

 

Deu-se nas pegadas da saída de Ciro Gomes (PSB-CE) do Ministério da Integração Nacional, agora retomado pela legenda.

 

Pedro Brito, um economista cearense, era secretário-executivo de Ciro na Integração. Chegou a responder pelo ministério. Depois, foi à secretaria de Portos.

 

Para desassossego do PT, a lista de nomes manuseada por Campos não traz o senador Antônio Carlos Valadares (PSB-SE).

 

Se Valadares fosse guindado à Esplanada, assumiria a cadeira dele no Senado o primeiro suplente. Vem a ser José Eduardo Dutra, presidente do PT.

 

Dilma gostaria de dispor de Dutra no Senado. O PSB não se opõe, desde que Valadares vire ministro na “cota pessoal” de Dilma.

 

Afora os nomes de seu partido, Eduardo Campos negocia com governadores do PT a indicação de outros ministros nordestinos.

 

Nesta quinta (2), Campos reuniu-se em Brasília com os colegas da Bahia, Jaques Wagner (PT); e de Sergipe, Marcelo Déda (PT).

 

Participou da conversa também o ex-governador petista do Piauí Wellington Dias, agora senador eleito.

 

O grupo advoga a tese de que a votação expressiva obtida por Dilma no Nordeste deve ser refletida no primeiro escalão do “novo” governo.

 

Foram à mesa nomes para dois ministérios. Um deles o do Desenvolvimento Social, responsável pela gestão do programa Bolsa Família.

 

Para esse cargo, até bem pouco exercido pelo petista mineiro Patrus Ananias, o baiano Jaques Wagner indicou Moema Gramacho, prefeita de Lauro de Freitas (BA).

 

O outro ministério levado a debate foi o do Desenvolvimento Agrário, cobiçado pelo PT gaúcho. O piauiense Wellington Dias reivindica a cadeira para si.

 

Eduardo Campos prefere o nome de outro petista: o deputado federal Pedro Eugênio, de Pernambuco. Dilma terá de arbitrar a encrenca.

 

Agenda