Cotação do dia

USD/BRL
EUR/USD
USD/JPY
GBP/USD
GBP/BRL
Trigo
R$ 115,00
Soja
R$ 180,00
Milho
R$ 82,00

Tempo

Em discurso final, Lula faz balanço dos oito anos como presidente

Governante não economizou nas frases marcantes e destacou que agora vai "viver a vida das ruas"

Em tom de despedida, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva fez nesta quinta-feira o seu pronunciamento de final de ano na rádio e na televisão. O discurso mostrou um balanço dos oito anos de mandato, com alfinetadas a antecessores, mensagens de apoio a Dilma Rousseff e algumas doses de ufanismo. "Saio do governo para viver a vida das ruas", afirmou Lula, numa possível referência a Getúlio Vargas, que afirmou na carta de testamento sair da vida para entrar na história.

"Homem do povo que sempre fui, serei mais povo do que nunca, sem renegar o meu destino e jamais fugir à luta", continuou o presidente. "Não me perguntem sobre o meu futuro, porque vocês já me deram um grande presente. Perguntem, sim, pelo futuro do Brasil e acreditem nele, porque temos motivos de sobra para isso", enfatizou o governante.

Lula aproveitou a ocasião para exaltar sua sucessora, observando que é "profundamente simbólico" o fato de a faixa presidencial ser passada do "primeiro operário presidente para as mãos da primeira mulher presidente". "Tenho certeza de que Dilma será uma presidente à altura deste novo Brasil, que respeita seu povo e é respeitado pelo mundo". Ele também pediu que a população a apoiasse, assim como o apoiou "em todos os momentos".

Num recado aos antecessores, o presidente afirmou que o seu governo afugentou "a onda de fracasso que pairava sobre o País". "Se governamos bem, foi, principalmente, porque conseguimos nos livrar da maldição elitista, que fazia com que os dirigentes políticos governassem apenas para um terço da população".

Otimista, ele avaliou que hoje o brasileiro "acredita mais no seu País e em si mesmo" e que o Brasil tem "um encontro marcado com o sucesso". Ele listou uma série de obras – como as hidrelétricas de Jirau, Santo Antônio e Belo Monte – e até o trem de alta velocidade entre São Paulo e Rio, projetos que, segundo ele, "estão entre os maiores do mundo e vão mudar o curso da nossa história".

"Vivi no coração do povo e nele quero continuar vivendo até o último dos meus dias. Mais que nunca, sou um homem de uma só causa e esta causa se chama Brasil", enfatizou o presidente, antes de fazer sua despedida. Apesar dos tradicionais superlativos e alguns bordões, a consagrada frase "Nunca antes na história deste País…" ficou de fora do pronunciamento.

Agenda