Cotação do dia

USD/BRL
EUR/USD
USD/JPY
GBP/USD
GBP/BRL
Trigo
R$ 115,00
Soja
R$ 180,00
Milho
R$ 82,00

Tempo

Como a incerteza econômica está afetando a fé dos jovens adultos de hoje?

Empregos informais constituem desafios financeiros, mentais e, também, espirituais
 
Momentos de estresse financeiro ou incerteza parecem um momento natural para se voltar para a fé, mas também pode ser um dos momentos mais difíceis para isso (Thomas Vitali/ Unsplash)
 
 
Como a incerteza econômica está afetando a fé dos jovens adultos de hoje?
 
 
Empregos informais constituem desafios financeiros, mentais e, também, espirituais Momentos de estresse financeiro ou incerteza parecem um momento natural para se voltar para a fé, mas também pode ser um dos momentos mais difíceis para isso Momentos de estresse financeiro ou incerteza parecem um momento natural para se voltar para a fé, mas também pode ser um dos momentos mais difíceis para isso (Thomas Vitali/ Unsplash)
 
 
Don Clemmer*
 
 
America Compartilho uma lembrança difícil de Emily Edmondson. Um dia, entrou no carro depois do trabalho, o marido subiu no banco do passageiro, ela ligou o carro e encontrou as palavras para resumir seu dia: “Acabei de ser vendida”. E quis dizer isso literalmente. A empresa em que trabalhou como desenvolvedora da web nos últimos dois anos fez uma “atualização da estrutura de negócios”, na qual venderam vários de seus produtos e funcionários para outra empresa. Ficaria com o mesmo trabalho diário, mas, como funcionária da nova empresa, trabalharia como contratada. “Então, vou levar seus MacBooks e você pode ficar com a minha Emily”, é como Edmondson, de 27 anos, caracterizou a mudança. “Foi assim que aconteceu. Trocaram coisas, e eu fui uma das coisas que foram trocadas… Os executivos, anunciaram-nos a mudança como uma emocionante atualização de alinhamento estratégico e não entenderam por que as pessoas estavam chateadas com isso, porque ninguém tecnicamente perdeu o emprego”. “Isso me fez sentir menos do que um MacBook, na verdade”, disse ela. Edmondson, que vive em Waco, no Texas, não começou no mundo corporativo. Depois de trabalhar na pastoral da paróquia, pensou em fazer um doutorado em teologia, mas voltou a trabalhar em um campo que esperava promover um ambiente mais estável – horas previsíveis, melhores salários – pelo casamento e pela vida familiar. Olhando para trás, diz que a escolha não alcançou esses fins. “Tenho uma situação de emprego menos estável no mundo corporativo, devido a tendências de demissões, terceirização de mão de obra e trabalho por contratos. Se eu quisesse segurança no emprego, voltaria àquele que tinha na paróquia”, diz ela. Dura realidade A história de Edmondson reflete as realidades instáveis enfrentadas por muitos jovens hoje em dia.
Por exemplo, quase metade de todos os millennials dos EUA (nascidos entre o início da década de 1980 e meados da década de 90) participa de alguma forma da gig economy (empregos informais) – ou seja, o setor em rápido crescimento do mercado de trabalho composto por trabalho freelance e, muitas vezes, temporário. Esses trabalhadores ganham quase 60% menos que os empregados em período integral, com apenas 40% tendo acesso aos benefícios de saúde fornecidos pelo empregador. Atualmente, 20% dos millennials relatam depressão no local de trabalho (mais do que outras gerações), e um estudo da American Psychiatry Association descobriu que três quartos dos millennials se sentem um tanto ou extremamente ansiosos para pagar suas contas. Mas essas realidades representam mais do que desafios financeiros e mentais para os jovens adultos que as experimentam; eles são desafios espirituais também. Momentos de estresse financeiro ou incerteza parecem um momento natural para se voltar para a fé, mas também pode ser um dos momentos mais difíceis para isso. As pessoas que acompanham esses jovens adultos podem atestar essa dificuldade. Diana Hancharenko trabalha na pastoral de mais de 40 jovens adultos na paróquia de Santa Ângela de Merici, em Youngstown, Ohio, alguns jovens com a idade regular de universitários. “Muitos deles trabalham nos fins de semana. Um grande número trabalha à noite. Por isso, é difícil atrair jovens adultos para algo consistente por causa de seus horários de trabalho”, diz Hancharenko. Ela criou uma comunidade de apoio, sobre a qual apenas pode dizer : “Acho que cada um está com a cabeça em outro lugar”. A imagem que ela faz é uma reminiscência dos comentários do papa Francisco em uma entrevista de 2013, de que os jovens foram “esmagados pelo presente”, sem esperança para o futuro. “O nível de estresse dos jovens adultos está fora dos gráficos”, acrescenta. "É realmente desafiador.
 
Estamos vendo isso refletido certamente em questões de saúde mental”. Hancharenko também vê uma situação difícil expressa por jovens adultos que dizem que desejam poder fazer mais nas paróquias, mas simplesmente enfrentam muitas demandas em suas vidas diárias: “As coisas estão tão loucas agora que eu simplesmente não posso”, é o que falam. Hancharenko tenta acomodar os horários variados daqueles a quem acompanha, e entende isso como a “nova norma” para o ministério de jovens adultos, uma função da economia de shows em que muitos deles participam. Hancharenko vê estudantes trabalhando em vários empregos para evitar dívidas e jovens adultos às vezes forçados a se afastar da sua cidade natal para buscar uma nova oportunidade. A comunidade está sofrendo com a perda de empregos nas indústrias siderúrgica e automotiva nas últimas décadas. “Há um forte desejo dos jovens de ficar perto da família, mas muitas vezes o mercado de trabalho determina o contrário”, diz Hancharenko. “Isso pode ser uma luta realmente difícil”. Landis Erwin, 29 anos, é uma jovem adulta que trabalhou na Diocese de Youngstown até ser levada para Pittsburgh por uma oportunidade de trabalho. Enquanto isso representou um passo satisfatório em sua carreira, também significou uma experiência comum aos católicos de sua geração – deixar uma comunidade paroquial em que se sentiam muito conectados e apoiados. “Ela está lutando para encontrar apoio em seu novo local”, diz Hancharenko. Erwin diz que as pessoas de sua idade têm dificuldades para confiar em outras pessoas devido à grande incerteza que encontraram na busca de empregos e estabilidade econômica. “Economicamente, estamos apenas tentando encontrar o caminho”, diz ela. "É interessante a pressão que o mundo exerce sobre os jovens adultos, porque ao mesmo tempo que pressiona, não fornece ajuda para eles". Hoje, trabalhando para uma fundação que ajuda a proporcionar aos jovens acesso à educação católica, Erwin não abandonou seu idealismo, mas muitos de sua geração fazem isso. Nick Lopez, também com 29 anos, é diretor da pastoral do campus em sua alma mater, a Universidade de Dallas, e foi um dos três auditores americanos de um evento pré-sínodal em 2018, antes do Sínodo dos Bispos sobre jovens, a fé e o discernimento vocacional, em Roma.
 
Ele vê no campus universitário o que Diana Hancharenko vê no nível paroquial: jovens com corações sensíveis pelo serviço, optando por não perseguir seus sonhos em um campo onde possam “fazer a diferença” e optando por uma carreira – às vezes sob pressão de suas famílias – considerado mais prático ou simplesmente porque “vale o investimento” de uma educação universitária. Não é de admirar, considerando que, de acordo com o Federal Reserve, mais da metade dos que frequentam a faculdade assumirá alguma dívida e a organização que ajuda com os défices lista a cifra média dos estudantes em 2017 em: US$ 37.172. Lopez reconhece que é uma espécie de discrepância entre sua geração e a geração atual. Ele trabalha no emprego atual há seis anos, enquanto colegas de classe agora se encontram no terceiro e quarto emprego desde a graduação, levados a encontrar um trabalho que pague o suficiente para que “sobreviver”, especialmente com dívidas educacionais. Com esses movimentos frequentes, Lopez diz: “eles não ficam em nenhuma igreja física por muito tempo”. O diretor de pastoral, tenta combater as dificuldades que os alunos enfrentam em encontrar a estabilidade de uma igreja em uma comunidade paroquial passando de dioceses em dioceses escrevendo recomendações para eles, para que possam encontrar “esses vínculos tão necessários”. “Eu vejo todos os anos tantos adultos jovens se formando. Sinto com eles a pressão. Presto principalmente cuidado pastoral para eles. Inclusive, passo por essas tensões com eles”, diz Lopez. Lopez e Hancharenko atestam que essas realidades são um afastamento da experiência das gerações anteriores. “Essa realidade é muito diferente”, diz Hancharenko.
 
“Mas não ouço muitas pessoas perguntando por que as coisas são diferentes.” Raízes próprias Se os sintomas das realidades enfrentadas pelos jovens adultos incluem horas de trabalho imprevisíveis, alta rotatividade de empregos, mobilidade e esgotamento, as causas são realmente bem diretas, diz Kate Ward, professora assistente de ética teológica na Marquette University em Milwaukee. Ward, de 36 anos, cita salários estagnados, dívidas com empréstimos para estudantes e custos com saúde como fatores que distinguem a experiência dos jovens adultos de hoje das gerações anteriores. No nível macro, essas realidades são capturadas em dados do Federal Reserve. Em meados de 2019, a geração do milênio detinha 3,2% da riqueza familiar nos Estados Unidos. Em 1989, quando um baby boomer de boa posição econômica tinha aproximadamente a mesma idade que os millennials mais velhos agora, os boomers tinham 20,9% da riqueza dos EUA. A CNN informou em 2018 que dois terços dos jovens de 21 a 32 anos não tinham nada guardado para a aposentadoria. Ward diz que a instabilidade criada por isso leva os jovens a adiar o início de suas próprias famílias, ultrapassando a idade em que seus pais teriam começado e até a idade em que muitos dos jovens adultos de hoje querem, uma realidade que o Papa Francisco até reconheceu em sua exortação apostólica de 2016, Amoris laetitia. A história de Edmonson também ecoa essa realidade. Ela e o marido se mudam praticamente todos os anos. Adorariam se tornar pais adotivos, mas adiaram a possibilidade, pois cada realocação reiniciaria o processo. “Esta empresa pode me colocar onde quiser, a qualquer momento”, diz ela. “Espero que os católicos vejam a vida familiar como um canário na mina de carvão”, diz Ward. “Aqueles de nós que foram capazes de iniciar famílias, que cresceram em famílias estáveis, podem ver que há toda uma rede de apoio e estruturas que precisam ser implementadas para que tudo corra bem. E a geração dos millennials não está encontrando esses suportes e estruturas”. Ward cita sua própria experiência de ter um bebê e o choque que seus pais sofreram com a alta franquia de seguro que tiveram que pagar, um custo que pode ser um impedimento para muitos jovens que desejam iniciar suas famílias.
 
“Talvez essa falta de apoio possa meio que lembrar à Igreja que nós temos essa tradição de advogar por políticas de justiça econômica”, diz ela, “não apenas porque são boas, mas porque a unidade básica da sociedade não é o indivíduo, mas a família”. “A Igreja está sempre enredada em uma cultura específica, por seus benefícios e limitações, e sendo profética ao falar com essa cultura”, diz Jonathan Lewis, secretário assistente do ministério pastoral da Arquidiocese de Washington. “Acho que as pessoas teriam muito mais filhos se tivessem confiança nos cuidados com as crianças, ou coisas assim”. Lewis, de 33 anos, entende as pressões enfrentadas por jovens adultos, como a dívida com empréstimos para estudantes que pode transformar a educação em um obstáculo para o avanço, e ainda vê essa traição pelas instituições como um dos principais desafios enfrentados pela Igreja para alcançar esse objetivo. Em 2018, Lewis participou como auditor no Sínodo dos Bispos sobre jovens, a fé e o discernimento vocacional, engajando-se em nível global com o diálogo da Igreja sobre essas questões. No sínodo, passou a apreciar o papel valioso que o acompanhamento e o diálogo intergeracional podem desempenhar. “Imagine como conseguir isso… o lugar onde as pessoas criem raízes em comunidades locais, reunidas em um lugar-comum, com pessoas de todas as idades…, um lugar sem segregação, onde todos poderiam vir e ser bem-vindos – bem, isso é uma paróquia!”, diz Lewis. “Temos os ingredientes. Infelizmente, essa realidade de amplo desengajamento social também afeta nossa vida eclesial”. Questões de sustentabilidade O papa Francisco falou da necessidade de ver “individualidades, uma pessoa íntegra”, insistindo que, a Igreja deve levar a conexões pessoais muito necessárias, que por sua vez ajudam a construir o tipo de comunidade de apoio necessária para enfrentar a tempestade dos desafios que os jovens enfrentam. “Minha pergunta é: você quer que as pessoas voltem para a paróquia. Por quê? O que você está oferecendo?”, diz Timone Davis, professor-assistente de teologia pastoral da Universidade Loyola, em Chicago, que criou módulos pastorais que incluem componentes práticos para ajudar jovens adultos a navegar na vida. “Você pode fazer com que os jovens estejam em sua paróquia, mas se você não está tentando criar um relacionamento estreito com eles, pode esquecê-los”. Tracey Lamont trabalha com uma variedade de líderes do ministério no trabalho de pós-graduação através de seu papel como professora-assistente de educação religiosa na Universidade Loyola, em Nova Orleans. Ela diz que sente dor pelo deterioro de “relacionamentos e a pastoral do acompanhamento” o tempo todo. “Estamos tão distanciados e tão feridos um pelo outro”, diz ela. Lamont faz eco das palavras de Davis, acrescentando que o caminho a seguir não está na programação, mas nas porcas e parafusos dos relacionamentos. Populações inteiras estão fora da Igreja porque não podem se acomodar aos horários tradicionais do trabalho pastoral. Lamont destaca essa necessidade da pastoral de sair e cruzar as fronteiras de raça, classe e gênero. Paul Jarzembowski, diretor-assistente da pastoral para jovens e adultos da Conferência dos Bispos Católicos dos EUA, diz que as feridas econômicas certamente estão dentro do alcance da igreja do “hospital de campo” que o Papa Francisco procura construir, observando que o papa citou o valor e os desafios de trabalhou várias vezes em sua exortação apostólica Christus vivit em 2019. “Acho que o cerne desse documento é o convite a prestarmos mais atenção à Igreja em saída do que a nossos esforços pastorais”, diz Jarzembowski.
 
Ele vê Francisco, documento após documento, estabelecendo uma base para a igreja se envolver na realidade da vida das pessoas, construindo confiança através da escuta e do acompanhamento. Também observa que a história da igreja nos Estados Unidos – com seu forte envolvimento com os sindicatos e o movimento trabalhista – sugere um precedente. Seja trabalho ou mudança climática, Jarzembowski diz: “O papa Francisco está nos dando uma filosofia para agir sobre isso. A questão é: queremos isso? Ação é precisamente o que Luke Henkel, de 29 anos, procura de sua igreja como coordenador de extensão do grupo Laudato Si, o ramo jovem do Movimento Global Católico pelo Clima e como presidente da equipe de cuidados pastorais na Catedral de Santo Tomás em Seattle. “Os jovens estão jogando muita pele no seu futuro, e muito disso gira em torno deste trabalho de cuidado do clima”, diz ele. “Se queremos ter sucesso em continuar envolvendo as pessoas, precisamos estar onde elas estão. Temos que estar na vanguarda de suas preocupações”. Acrescenta que a crise climática é para a igreja uma “oportunidade de ouro para envolver os jovens nas coisas mais profundas que os impulsionam”. Enquanto persegue sua paixão, Henkel vê uma conexão clara entre a crise climática e o estresse socioeconômico que ele e seus contemporâneos herdaram. Ambas são crises existenciais criadas em parte pelos modelos de consumo adotados nas décadas passadas pelas gerações anteriores. Tanto as questões climáticas quanto o consumismo levantam grandes questões sobre sustentabilidade. E vários estudos apontam para o fato de que os estressores atuais em adultos jovens estão causando efeitos graves a longo prazo. De acordo com um estudo de 2019, observou-se o recente declínio da expectativa de vida nos EUA, o aumento mais significativo nas taxas de mortalidade de 2010 a 2017 ocorreu entre adultos de 25 a 34 anos, um aumento de 29%. A imagem é a de uma geração em uma luta mortal contra uma cultura descartável, na qual seus empregos, lares e paróquias podem ou devem ser facilmente trocados por outra, se a economia assim o exigir. "É cada vez mais difícil. É cada vez mais complicado. Não acho que seja saudável para os jovens”, diz Hancharenko. “A natureza transitória de alguns jovens adultos os leva a serem excepcionalmente isolados e solitários. E é aí que eu me preocupo”, diz Lamont. “Esse sentimento de estar desconectado é realmente prejudicial para a psique, para a capacidade de formar relacionamentos e até para confiar”. Ward vê esperança no fato de que reparos estruturais, como o perdão de empréstimos a estudantes e propostas universais de renda básica, entraram em partes da conversa sobre políticas porque o status quo é, para ela, um paralisador. “Eu acho que é sustentável se você é um empregador que deseja contar com pessoas com baixos salários e conseguir se livrar delas sem precisar se acomodar às suas necessidades humanas”, diz Ward. “Isso é sustentável da perspectiva das famílias? Ou é sustentável se você é alguém que se preocupa com comunidades fortes que podem cuidar de idosos e jovens e manter um senso de estabilidade em um lugar? Então não, não é”. Enquanto isso, Emily Edmondson, no Texas, continua se esforçando para viver sua fé da melhor maneira possível, em meio a desafios econômicos e culturais.
Ela diz que teve que avisar os gerentes meses antes de seu desejo de ir à missa durante a hora do almoço, nos dias obrigatórios. Ela foi recebida com reações mistas. “Eu tinha um gerente que era ótimo nisso”, ela disse, “e outro gerente que dizia: ‘Por que você está fazendo isso? Não ligo para a hora do almoço. Mas vai levar mais tempo’. É uma sensação dolorosa”. Este artigo também será publicado, sob a manchete “O preço que pagamos”, na edição de 6 de janeiro de 2020.
 
Publicado originalmente por America Tradução: Ramón Lara *Don Clemmer é escritor e profissional de comunicações em Indiana. dom total///

Agenda