Cotação do dia

USD/BRL
EUR/USD
USD/JPY
GBP/USD
GBP/BRL
Trigo
R$ 115,00
Soja
R$ 180,00
Milho
R$ 82,00

Tempo

Ex-coordenadora do PNI responsabiliza Bolsonaro por baixa vacinação

"Não dá para colocar em dúvida a vacinação como um meio efetivo para o controle da pandemia", disse Francieli Fantinato à CPI do Senado

Publicado em 8 de julho de 2021/Extra Classe//

 

 

Francieli Fantinato, ex-coordenadora do Programa Nacional de Imunizações (PNI) do Ministério da Saúde

Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado

 

 

Em seu depoimento à CPI da Covid, no Senado, a ex-coordenadora do Programa Nacional de Imunizações (PNI) do Ministério da Saúde Francieli Fantinato responsabilizou diretamente o presidente Jair Bolsonaro pela “politização” e pelo atraso na vacinação contra o coronavírus. Ela falou aos senadores nesta quinta-feira, 8, e também disse que “o líder da nação” colocou em dúvida a eficácia dos imunizantes. “Não dá para colocar em dúvida a vacinação como um meio efetivo para o controle da pandemia. Ter uma politização do assunto por meio do líder da nação, que traz elementos que muitas vezes colocam em dúvida… Enquanto coordenadora do PNI, preciso de apoio favorável à vacinação. Quando o líder da nação não fala favorável, a minha opinião pessoal é que isso pode trazer prejuízos”, afirmou.

Politização chegou ao limite

A depoente relatou que pediu exoneração do cargo depois que “a politização do assunto chegou a um limite”. Francieli, que é enfermeira, afirmou que, durante a gestão do PNI, não recebeu do Poder Executivo vacinas suficientes nem campanhas publicitárias efetivas para assegurar a imunização da população. “Por que o maior programa de vacinação do mundo teve dificuldades em executar o seu papel? Faltou quantitativo suficiente – de vacinas – para uma execução rápida e faltou campanha publicitária. O PNI, estando sob qualquer coordenação, não consegue fazer uma campanha exitosa sem vacinas e sem comunicação. Para um programa de vacinação ter sucesso é simples: é necessário ter vacinas e campanha publicitária efetiva. Infelizmente, não tive nenhum dos dois”, explicou.

Esteve à frente do PNI até o começo desta semana

Francieli coordenou o PNI de maio de 2019 até o início desta semana. Ela reconheceu que “existia um cenário de escassez mundial” de vacinas. Mas disse que o PNI organizou um plano para iniciar a campanha de vacinação mesmo com um número reduzido de doses, atendendo inicialmente a grupos prioritários. “Em junho de 2020, a gente avaliou que inicialmente precisaria, para controlar a transmissão, de um quantitativo de 55% de cobertura vacinal, que poderia variar até 95%. A gente sabia naquele momento que poderia enfrentar um cenário de escassez. Então, a gente fez um segundo cenário trazendo grupos prioritários para iniciar pelas populações mais vulneráveis”, situou. Francieli disse também que, desde julho de 2020, participou de reuniões técnicas com representantes das vacinas Pfizer, AstraZeneca e Covaxin. O PNI emitiu notas técnicas em que recomendava a compra dos imunizantes, desde que autorizados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Todas as notas foram encaminhadas ao então secretário-executivo do Ministério da Saúde, o coronel Élcio Franco. No entanto, segundo ela, “as vacinas não chegaram”.

Postura da presidência

A ex-coordenadora do PNI assegurou não saber se as notas técnicas que recomendavam a compra dos imunizantes chegaram ao então ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello, ou ao presidente da República. Mas o relator da CPI da Pandemia, senador Renan Calheiros (MDB-AL), criticou a postura de Jair Bolsonaro no episódio. “Nesse exato momento, o governo estava recusando as ofertas da Pfizer, da Organização Mundial da Saúde (OMS) e do Butantan. Desdenhava da eficácia das vacinas, sobretudo daquelas que tinham compliance, que tinham controle. Preferia priorizar as negociações de vacinas tipo essa Covaxin, que tinha inclusive um atravessador. Em janeiro deste ano, o presidente da República surpreendentemente manda uma mensagem ao primeiro ministro da Índia pedindo para comprar 20 milhões de doses – da Covaxin –. Ora, se tivessem andado as negociações a partir da Pfizer, da OMS e do Butantan, teríamos obtido ainda no ano que passou uma oferta de quase 170 milhões de doses”, constatou.

 

 

 

Extra Classe///

Agenda